Todas as Ciclovias > Ciclovias de Caminha > Ecovia Caminho do Rio Minho > Ecovia de Seixas > Pontos de Interesse
Ciclovia dos Caminhos de Santiago
2,027km
Ecovia de Seixas - Ecovia Caminho do Rio Minho
Regressar à página do Percurso de Seixas, da Ecovia Caminho do Rio Minho
Ecovia de Seixas - Ecovia Caminho do Rio Minho Ecovia de Seixas - Ecovia Caminho do Rio Minho
CAMINHADA BICICLETA
+ A Ecovia de Seixas, do Caminho do Rio Minho, desenvolve-se através de um canal segregado bidireccional, onde é permitida a circulação a pé, de Bicicleta e outros modos suaves, análogos.
Ecovia da Rota da Ribeira das Carpalhosas
VEÍCULOS
MOTORIZADOS
- Não é permitida a circulação de veículos motorizados.
Ribeira das Carpalhosas e Ribeira da Carreira Vala dos Regantes Rio Lis Parque de Lazer da Sapateira Centro Cultural e Recreativo da Bidoeira de Cima Ringues Desportivos Área de Jogos Tradicionais - Pelanca e Chinquilho Parque de Manutenção Física
RIBEIRAS VALA RIO PARQUE CENTRRO
CULTURAL
RINGUES
DESPORTIVOS
JOGOS
TRADICIONAIS
MANUTENÇÃO
FÍSICA
Parques de Merendas da Sapateira e Vale da Pedra Parque Infantil Ponte Antiga da Carpalhosa Forno da Cal Moinhos das Freiras e do Azinheiro Arte Urbana "Os Pampos" Pontos de Interesse Painéis Informativos
MERENDAS PARQUE
INFANTIL
PONTE FORNO MOINHOS MURAL PONTOS DE
INTERESSE
INFORMAÇÃO
QR codes Geocaches
CÓDIGOS QR GEOCACHING
+ A Rota da Ribeira das Carpalhosas consiste num Percurso pedestre e ciclável, que atravessa 3 Freguesias do Concelho de Leiria, numa extensão de cerca de 16 quilómetros. A Associação Recreativa e Cultural Valpedrense, pretende com isto, fazer a ligação entre uma das nascentes da Ribeira da Carpalhosa, na Bidoeira de Cima, ao Rio Lis, na Freguesia da Carreira, através da Freguesia de Souto da Carpalhosa.

+ Com a concretização desta Rota da Ribeira das Carpalhosas, a Associação conseguiu valorizar a história, o património, a fauna e a flora, da região que explora,

+ Nesta Ecovia, vai deparar-se com um sem número de Pontos de Interesse, na sua maioria, património arquitetónico e cultural, que foi devidamente recuperado e, que agora pode visitar com a ajuda de Códigos QR. Estes QR codes, criteriosamente espalhados ao longo de toda a extensão da Rota da Ribeira das Carpalhosas, disponibilizam informação através de uma página de Internet, criada de propósito para o efeito.

+ A Vala dos Regantes, consiste num conjunto de várias pequenas barragens e um canal de rega, construídos nos anos cinquenta, do século passado, pela então denominada hidráulica, que tinha a dupla função de evitar o assoreamento da Ribeira e, ao mesmo tempo, permitir o abastecimento de água corrente aos vários Moinhos de farinha, então existentes, ao Lagar de azeite da Mata da Bidoeira, de que ainda existem ruínas e, abastecer a Vala dos Regantes, que era utilizada para a rega dos campos agrícolas. Para garantir a gestão e manutenção destas infraestruturas, foi constituída a Associação dos Regantes, que agregava muitos agricultores da zona e que ainda há relativamente pouco tempo estava activa.

+ O Forno da Cal, esteve em actividade até aos anos 40, na produção de cal. Encerrou devido à cada vez maior dificuldade do transporte da pedra e à raridade da lenha (eram utlizadas quantidades enormes de lenha), tendo sido, por isso, abandonado. O Forno de cal (ou forno da cal ou caleiro) são fornaças destinadas à produção de cal viva. As estruturas mais antigas, particularmente na região Mediterrânica da Europa e do Norte de África, utilizavam lenha como combustível, sendo progressivamente substituídos, nas regiões mais industrializadas, por fornos alimentados a carvão mineral.

+ Moinho do Azinheiro (água) e Moinho das Freiras (água). A este último, o nome que lhe terá sido atribuído, por volta de 1755, advém do facto de por ali se terem refugiado duas Freiras, fugindo do Convento em que viviam, devido à perseguição movida aos Jesuítas pelo então Primeiro-Ministro, Marquês de Pombal. Este Moinho das Freiras, acionado por queda de água, foi restaurado em 2016, tendo mantido todas as suas peças de origem e, ainda hoje poderia funcionar se existisse água em abundância e suficiente para fazer mover as pás.

+ Já próximo do fim da Rota da Ribeira das Carpalhosas, e um pouco antes do Parque de Merendas da Carreira, vai passar por um túnel, sob a EN109, onde pode apreciar um Mural de Arte Urbana, criado por dois jovens artistas da localidade. Esta pintura, denominada “Os Pampos”, retrata o nome porque eram conhecidas as gentes desta terra.

+ Este tema procura entrelaçar um imaginário mágico com as tradições das gentes da Carreira, também conhecidas por “Pampos”. Pampos são peixes característicos do Vale do Lis, muito apreciados pelas pessoas da terra, em tempos idos, e que os pescavam intensamente, tendo ficado assim apelidados, também eles, de Pampos! A ilustração faz uma tradução poética desta denominação, em que o pescador pesca estrelas em vez de peixes, que, ao escapar da rede do pescador, se transformam então em peixes que inundam o céu, luminosos como estrelas. Presta-se assim, homenagem às gentes da Carreira, sugerindo também esse alcançar da eternidade no céu estrelado e, igualmente, a realização dos seus sonhos. Sonho que está agora, ilustrado, na Rota da Ribeira das Carpalhosas.

+ Ao longos dos seus 16 quilómetros de Ecovia, será ainda surpreendido com pinturas e esculturas de arte urbana, criada, também, por outros artistas locais.

+ Também, para os amantes do Geocaching e adeptos da caça ao tesouro dos tempos modernos, todo o Percurso está recheado de “geocaches”, um pouco por todo o lado, para delícia dos mais aventureiros.

+ Boas Pedaladas!


Fonte: David Ferreira
Fonte: Associação Recreativa e Cultural Valpedrense

31 de Janeiro de 2022